26 de novembro de 2015

Bacias hidrográficas do Rio Grande do Sul


Em uma bacia hidrográfica existem várias sub-bacias ou áreas de drenagem de cada contribuinte. Estas são as unidades fundamentais para a conservação e o manejo, uma vez que a característica ambiental de uma bacia reflete o somatório ou as relações de causa e efeito da dinâmica natural e ação humana ocorridas no conjunto das sub-bacias nela contidas. A bacia hidrográfica serve como unidade básica para gestão dos recursos hídricos e até para gestão ambiental como um todo, uma vez que os elementos físicos naturais estão interligados pelo ciclo da água. 
Para o Rio Grande do Sul, de acordo com a Lei 10.350/1994, foi determinada a existência de três Regiões Hidrográficas, as quais foram subdivididas em bacias hidrográficas, totalizando, até o presente momento, 25 unidades. Para cada uma destas está previsto a formação de um comitê para a gestão integrada dos seus recursos hídricos.
As bacias hidrográficas se agrupam por três regiões hidrográficas, a região do rio Uruguai que coincide com a bacia nacional do Uruguai, a região do Guaíba e a região do Litoral, que coincidem com a bacia nacional do Atlântico Sudeste.

Bacias Hidrográficas do RS
Cada uma das regiões hidrográficas abaixo são formadas por várias bacias hidrográficas. Para conhecê-las clique no nome da região hidrográfica.

A Bacia Hidrográfica do Alto Jacuí situa-se na porção centro-norte do Estado do Rio Grande do Sul. Abrange as Províncias Geomorfológicas Planalto Meridional e Depressão Central. Possui área de 12.985,44 km², abrangendo municípios como CarazinhoCruz AltaPasso FundoSobradinho e Tupanciretã, com população estimada em 366.628 habitantes. Os principais cursos de água são os rios Jacuí, Jacuí-mirim, Jacuizinho, dos Caixões e Soturno. Os principais usos da água se destinam a irrigação, dessedentação animal e consumo humano.
Bacia do Alto Jacuí apresenta maiores volumes de agrotóxicos por área cultivada

A Secretaria Estadual da Saúde realizou um levantamento do uso de agrotóxicos e o seu impacto na qualidade da água dos mananciais gaúchos. O estudo apontou que muitos tipos de químicos não fazem parte da lista de produtos que têm limites aceitáveis normatizados pelo Ministério da Saúde. Apesar deles serem eliminados no tratamento antes do consumo humano, garantindo a sua potabilidade, o estudo propõe que esses outros pesticidas também passem a ter sua concentração na água verificada nas análises laboratoriais feitas rotineiramente.
O estudo - realizado entre 2009 e 2010 - foi coordenado pelo Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs) e abrangeu as 24 bacias hidrográficas do Rio Grande do Sul. Através da aplicação de questionários com agricultores de 72 cidades gaúchas (três por bacia hidrográfica), ele levantou dados sobre o tipo e volume dos agrotóxicos utilizados em 15 diferentes culturas. Também foram analisadas as características físicas-químicas dos agrotóxicos em uso.
A região Noroeste do Estado foi a que apresentou os maiores volumes de agrotóxicos por área cultivada, chegando a 919 litros por quilômetro quadrado ao ano na Bacia do Alto Jacuí. A região é grande produtora de milho, soja e trigo. A estimativa do uso de agrotóxicos no RS para a safra 2009/2010 teve, de acordo com a análise, média de 320,2 L/Km2/ano. Com base nos cálculos, foram identificado os compostos mais utilizados no Estado, destacando-se o glifosato, amplamente utilizado em diferentes culturas por ser um herbicida sistêmico não seletivo. Entre os dez compostos mais usados, ele é o único que consta na atual norma nacional de controle.

Microbacia hidrográfica do Lageado da Cruz
A microbacia hidrográfica do Lajeado da Cruz encontra-se inserto na Bacia Hidrográfica do Alto Jacuí, na região hidrográfica do Guaíba.
Esta área é predominada por lavouras e pastagens e a área com matas ciliares é de cerca de 8%, sendo uma microbacia que sofre com o desmatamento, com o lixo em suas margens, com a lavagem e descarte de produtos utilizados na lavoura como embalagem de inseticidas e herbicidas.
É importante ressaltar o conflito socioambiental existente entre os produtores rurais situados às margens do arroio Lajeado da Cruz e o Comitê da Bacia Hidrográfica do Alto Jacuí (COAJU), devido a inadequada utilização da microbacia, o que vem causando a degradação ambiental do arroio.
A microbacia hidrográfica do Arroio Lajeado da Cruz situa-se em área de característica eminentemente rural no Município de Cruz Alta – RS, sendo utilizada para o cultivo agrícola, como o plantio de trigo, soja, milho e azevém, com importância estratégica por constituir-se em ponto de captação da água fornecida ao município de Cruz Alta – RS.
A microbacia do Lajeado da Cruz é Área de Proteção Ambiental (APA).

Fonte: Secretaria do Meio AmbienteABES-RS, CBHPFEco AgênciaPro Guaíba.     Monitoramento da Qualidade Ambiental na Microbacia do Lajeado da Cruz,  A mediação como exercício da cidadania na solução dos conflitos socioambientais: o caso dos produtores rurais situados às margens da microbacia hidrográfica do arroio Lajeado da Cruz

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...