Dinâmicas para grupos

DINÂMICAS DE APRESENTAÇÃO

1) Eu sou o outro

Passos
1- Dividir o grupo em duplas (preferencialmente em duplas que não se conheçam).
2- Pedir que conversem a respeito de si, seus gostos, seus desejos, suas esperanças, sua família, sua casa, seu trabalho, etc.
3- Depois de alguns minutos reúnem-se todos e cada um vai se apresentar, mas dizendo as coisas do outro como se fosse eu (Exemplo: apresentando o "fulano" = Eu me chamo "fulano" e gosto de passear, etc.).

Avaliação
1- Como é apresentar o outro?
2- É fácil me colocar no lugar do outro?

2) Aprendendo o nome

Passos
1- Animador solicita que o grupo, de pé, forme um grande círculo.
2- A seguir, dá início ao exercício: dá um passo à frente, diz seu nome, acompanhado de um gesto com as mãos ou com todo o corpo, quando então as pessoas do grupo repetem em côro o nome do animador e fazem o mesmo gesto.
3- Prosseguindo, a pessoa à direita do animador diz seu nome e cria um novo gesto. O grupo repete o nome e o gesto do colega, e assim sucessivamente até todos se apresentarem.

Avaliação
1- Comentar a respeito da técnica.

3) Riqueza dos nomes 

Material
Tiras de papel ou cartolina, pincel atômico ou caneta hidrográfica, cartaz para escrever as palavras montadas ou quadro-negro.

Passos
1- Os participantes de um grupo novo são convidados pelo coordenador a andar pela sala se olhando, enquanto uma música toca.
2- Quando o som para, escolher um par e ficar ao lado dele (a). Cumprimentar-se de alguma forma, com algum gesto (aperto de mão, abraço, beijo no rosto e etc).
3- Colocar novamente os pares a andar pela sala (desta vez são os dois andando juntos). Assim que parar a música, devem se associar a outro par (fica o grupo com quatro pessoas).
4- Cada participante do grupo composto de quatro pessoas recebe uma cartolina e coloca nela seu nome (tira de papel também serve).
5- Após mostrar o nome para os outros três companheiros, os participantes deste pequeno grupo juntarão uma palavra com estas sílabas (servem apenas as letras).
(Exemplo: Anderson + JÚlio + DAiane = Ajuda / Airton + RoMIlton + ZAira + SanDEr = Amizade


4) Quem sou eu?

Passos
1- Cada um recebe uma folha com o título: “Quem sou eu?”
2- Durante 10 minutos cada um escreve cinco itens em relação a si mesmo, que facilitem o conhecimento.
3- A folha escrita será fixada na blusa dos participantes.
4- Os componentes do grupo circulam livremente e em silêncio pela sala, ao som de uma música suave, enquanto lêem a respeito do outro e deixa que os outros leiam o que escreveu a respeito de si.
5- Logo após reunir 2 a 3 colegas, com os quais gostariam de conversar para se conhecerem melhor. Nesse momento é possível lançar perguntas que ordinariamente não fariam.

Avaliação
1- Para que serviu o exercício?

2- Como nos sentimos?

5) Loteria de apresentação

Passos

1- O coordenador entrega uma ficha e um lápis a cada participante, pedindo que escrevam seu nome e a devolvam a ele.

2- Entrega a seguir, o cartão de loteria, como o modelo abaixo:
3- Pede-se aos presentes que anotem o nome de seus companheiros à medida que forem lidos pelo coordenador, de acordo com as fichas entregues pelo grupo. Cada qual escreve no espaço que desejar.
4- Quando todos estiverem com o seu cartão pronto, o coordenador explica como jogar: conforme forem sendo repetidos os nomes dos participantes, cada um vai assinalando o cartão, no lugar onde consta o nome citado, como em uma cartela de bingo.
5- A primeira pessoa que completar uma fileira ganhará dez pontos.
6- O exercício poderá ser repetido várias vezes.

Avaliação

1- Para que serviu a dinâmica?

6) Apresentação através de desenhos

Material
Uma folha para desenho e um lápis colorido ou caneta hidrocor para cada participante.

Passos
1- Distribuídos os materiais da dinâmica, o animador explica o exercício: Cada qual terá que responder, através de desenhos, à seguinte pergunta: “Quem sou eu?” (Dispoem de 15 minutos para preparar a resposta)
2- Os participantes desenham sua resposta
3- A apresentação dos desenhos é feita em plenário ou nas respectivas equipes. O grupo procura interpretar as resposta. Feita essa interpretação, os interessados, por sua vez, comentam a própria resposta.

Avaliação
1- O que aprendemos com este exercício?

7) Primeiros nomes, primeiras impressões

Passos
1- O coordenador pede aos participantes sentados em círculo que se apresentem, dizendo seu nome e dois fatos marcantes de sua vida.
2- Coordenador pede que todos virem as costas (evitando que um veja os outros) e escrevam ao mesmo tempo, o primeiro nome de todos os participantes do grupo, à medida que deles se lembrem.
3- Voltando-se novamente para o grupo, procuram saber qual o nome, que ficou esquecido na lista. Podem pedir que as pessoas indiquem mais um fato a fim de melhor fazer a ligação com o nome.
4- O grupo discute os nomes, sentimentos ligados a eles, dificuldades que sentiram para lembrar de todos, suas reações em não ser lembrados, etc.
5- O coordenador distribui outra folha em branco, na qual devem fazer a lista dos nomes novamente, pedindo-lhes que acrescentem anotações em relação à primeira impressão que tiveram das pessoas, deixando a folha anônima.
6- As folhas anônimas serão recolhidas, e o coordenador irá lê-las em voz alta: Os membros poderão reagir sobre a precisão ou relatividade das impressões, sobre o que sentiram, o que lhes surpreendeu, etc.
7- O grupo discutirá a precisão dos dados da primeira impressão, os efeitos da mesma e suas reações sobre a experiência.

Avaliação
1- Como estamos nos sentindo?
2- Do que mais gostamos?

8) Falar até queimar

Material
Uma caixa de fósforo com fósforos

Passos
1- Dispostos em círculo um participante recebe a caixa de fósforo e é convidado a riscar um palito enquanto o palito permanecer aceso deve falar de si apresentando-se (não pode ficar sem falar enquanto o palito estiver aceso e não pode falar mais quando o palito apagar).
2- Quando o palito apagar passa a caixa ao próximo, recomeçando; até que todos tenham se apresentado.

9) Cartão musical

Passos
1- Coordenador distribui um cartão, um lápis e um alfinete para cada participante e pede que cada um escreva no cartão o nome e prenda-o na blusa. (Não pode ser apelido).
2- Os participantes sentam-se em círculo. O coordenador coloca-se no centro e convida os demais a cantar:
“Quando vim para este grupo, um(a) amigo(a) eu encontrei (o coordenador escolhe uma pessoa) como estava ele(a) sem nome, de (nome da pessoa) eu o(a) chamei. Oh! amigo(a), que bom te encontrar, unidos na amizade iremos caminhar”(bis). (Melodia: Oh, Suzana!!)
3- O coordenador junta-se ao círculo e a pessoa escolhida, entoa a canção, ajudada pelo grupo, repetindo o mesmo que o coordenador fez antes. E assim prossegue o exercício até que todos tenham se apresentado.
4- A última pessoa entoa o canto da seguinte maneira:
“Quando vim para este grupo, mais amigos encontrei, como eu não tinha nome, de ...(cada um grita seu nome) eu o chamei. Oh! amigos(as), que bom nos encontrar, unidos lutaremos para o mundo melhorar" (bis).

Avaliação
1- Para que serviu a dinâmica?
2- Como nos sentimos?

10) Trocando os crachás 

Material
Crachás para todos, contendo os nomes de cada um.

Passos
1- No inicio do encontro, distribuem-se os crachás normalmente, de forma que cada um receba o seu próprio nome.
2- Após algum tempo, recolher novamente os crachás e colocá-los no chão, com os nomes voltados para baixo. Cada um pega um para si; caso peque o próprio nome, deve trocar.
3- Colocar o crachá com outro nome e usá-lo enquanto passeia pela sala.
4- Enfim procurar o verdadeiro dono do nome (crachá) e entregar a ele seu crachá. Aproveitar para uma pequena conversa informal; procurar se conhecer algo que ainda não conhece do colega.

Avaliação
1- Partilhar a experiência no grande grupo.

Mais dinâmicas de apresentação aqui

Fonte: http://dinamicasparagrupos.blogspot.com.br/2010/11/dinamicas-de-grupo.html

DINÂMICAS PARA CRIANÇAS

1) Dinâmica do nome

Esta dinâmica propõe um "quebra gelo" entre os participantes. Ela pode ser proposta no primeiro dia em que um grupo se encontra. É ótima para gravação dos nomes de cada um.
Em círculo, assentados ou de pé, os participantes vão um a um ao centro da roda (ou no próprio lugar) falam seu nome completo, juntamente com um gesto qualquer. Em seguida todos devem dizer o nome da pessoa e repetir o gesto feito por ela.

Variação: Essa dinâmica pode ser feita apenas com o primeiro nome e o gesto da pessoa, sendo que todos devem repetir em somatória, ou seja, o primeiro diz seu nome, com seu gesto e o segundo diz o nome do anterior e gesto dele e seu nome e seu gesto... e assim por diante. Geralmente feito com grupos pequenos, para facilitar a memorização. Mas poderá ser estipulado um número máximo acumulativo, por exemplo, após o 8º deve começar um outro ciclo de 1-8 pessoas.

2) Dinâmica do "Escravo de Jó"

Esta dinâmica vem de uma brincadeira popular do mesmo nome, mas que nessa atividade tem o objetivo de "quebra gelo" podendo ser observado a atenção e concentração dos participantes.
Em círculo, cada participante fica com um toquinho (ou qualquer objeto rígido).
Primeiro o Coordenador deve ter certeza de que todos sabem a letra da música que deve ser :

Os escravos de jó jogavam cachangá;
os escravos de jó jogavam cachangá;
Tira, põe, deixa o zé pereira ficar;
Guerreiros com guerreiros fazem zigue, zigue zá (Refrão que repete duas vezes)

1º Modo normal

Os escravos de jó jogavam cachangá (PASSANDO SEU TOQUINHO PARA O OUTRO DA DIREITA);
os escravos de jó jogavam cachangá (PASSANDO SEU TOQUINHO PARA O OUTRO DA DIREITA);
Tira (LEVANTA O TOQUINHO), põe (PÕE NA SUA FRENTE NA MESA), deixa o zé pereira ficar (APONTA PARA O TOQUINHO NA FRENTE E BALANÇA O DEDO);
Guerreiros com guerreiros fazem zigue (PASSANDO SEU TOQUINHO PARA O OUTRO DA DIREITA), zigue (VOLTA SEU TOQUINHO DA DIREITA PARA O COLEGA DA ESQUERDA), zá (VOLTA SEU TOQUINHO PARA O OUTRO DA DIREITA) (Refrão que repete duas vezes).

2º Modo:
Faz a mesma seqüência acima só para a esquerda

3º Modo:
Faz a mesma seqüência acima sem cantar em voz alta, mas canta-se em memória.

4º Modo
Faz a mesma seqüência acima em pé executando com um pé.

5º Modo
Faz a mesma seqüência acima com dois toquinhos, um para cada lado.

2) Dinâmica da "escultura"

Esta dinâmica estimula a expressão corporal e criatividade.
2 x 2 ou 3 x 3, os grupos devem fazer a seguinte tarefa :

Um participante trabalha com escultor enquanto os outros ficam estátua (parados). O escultor deve usar a criatividade de acordo com o objetivo esperado pelo Coordenador, ou seja, pode buscar :

-estátua mais engraçada
-estátua mais criativa
-estátua mais assustadora
-estátua mais bonita, etc.
Quando o escultor acabar (estipulado o prazo para que todos finalizem), seu trabalho vai ser julgado juntamente com os outros grupos. Pode haver premiação ou apenas palmas.

3) Dinâmica da "sensibilidade"

Dois círculos com números iguais de participantes, um dentro e outro fora. O grupo de dentro vira para fora e o de fora vira para dentro. Todos devem dar as mãos, sentí-las, tocá-las bem, estudá-las. Depois, todos do grupo interno devem fechar os olhos e caminhar dentro do círculo externo. Ao sinal, o Coordenador pede que façam novo círculo voltado para fora, dentro do respectivo círculo. Ainda com os olhos fechados, (proibido abrí-los), vão tocando de mão em mão para descobrir quem lhe deu a mão anteriormente. O Grupo de fora é quem deve movimentar-se. Caso ele encontre sua mão correta deve dizer _Esta! Se for verdade, a dupla sai e se for mentira, volta a fechar os olhos e tenta novamente.

Obs: Essa dinâmica pode ser feita com outras partes do corpo, ex: Pés, orelha, olhos, joelhos, etc. Tem o objetivo de melhorar a sensibilidade, concentração e socialização do grupo.

4) Dinâmica do "mestre"

Em círculo os participantes devem escolher uma pessoa para ser o adivinhador. Este deve sair do local. Em seguida os outros devem escolher um mestre para encabeçar os movimentos/ mímicas. Tudo que o mestre fizer ou disser, todos devem imitar. O adivinhador tem duas chances para saber quem é o mestre. Se errar volta e se acertar o mestre vai em seu lugar.
Esta dinâmica busca a criatividade, socialização, desinibição e a coordenação.

5) Dinâmica do "rolo de barbante"

Em círculo os participantes devem se assentar. O Coordenador deve adquirir anteriormente um rolo grande de barbante. E o primeiro participante deve, segurando a ponta do barbante, jogar o rolo para alguém (o coordenador estipula antes ex: que gosta mais, que gostaria de conhecer mais, que admira, que gostaria de lhe dizer algo, que tem determinada qualidade, etc.) que ele queira e justificar o porquê! A pessoa agarra o rolo, segura o barbante e joga para a próxima. Ao final torna-se uma "teia" grande.

Essa dinâmica pode ser feita com diversos objetivos e pode ser utilizada também em festas e eventos como o Natal e festas de fim de ano. Ex: cada pessoa que enviar o barbante falar um agradecimento e desejar feliz festas. Pode ser utilizado também o mesmo formato da Dinâmica do Presente

Mais dinâmicas para crianças aqui.

Fonte: http://wata-eh-legal.blogspot.com.br/2009/06/10-dinamicas-faceis-pra-educacao.html

DINÂMICAS PARA ADOLESCENTES

1) A dança engraçada

Essa é uma dinâmica para aplicar em grupos de jovens e adolescentes, muito divertida, promove a espontaneidade e descontração do grupo.

Dinamicas engraçadas para jovens serve para fortalecer o relacionamento interpessoal dos adolescentes, estimular trabalho em equipe e a comunicação entre os participantens.

Dinamica divertida para Jovens e Adolescentes
Materiais para usar na dinâmica: Um sala ampla; músicas (gravar trechos de músicas de vários estilos, para tornar o jogo mais diversificado e mais dinâmico. Selecione forró, valsa, pagode, música romântica, etc).

Procedimento: Coloque o grupo à vontade.

Pedir para se posicionarem em duplas, um de costas para o outro.

Peça para que cada dupla escolha um líder que dará início ao jogo.

Coloque uma música de ritmos mistos e peça-lhes que, com as costas tocando as costas do colega, iniciem uma divertida dança. A pessoa que lidera executará os passos da dança e a outra procurará segui-la, esforçando-se para acompanhar o ritmo e a cadência do companheiro.

Deixe claro que não é permitido segurarem as mãos, como meio de facilitar a dança. Conversar, sim, é permitido. Anime-os com comandos verbais do tipo: “Está muito divertido, vamos!”, “Vocês estão conseguindo, parabéns!”.

Após cerca de dez minutos, pedir para que se revezem no comando dos movimentos por mais dez minutos, depois, solicite que troquem de parceiros e dancem mais dez minutos.

Peça para que se recolham em círculo e verbalize a experiência vivida.

Dicas

Iniciar o processamento abrindo espaço para que os participantes façam comentários sobre sentimentos, dificuldades, facilidades e outros que o grupo julgar importantes.

Observar se os participantes conseguem trabalhar em equipe, se acompanham ritmos diferentes ou situações diferentes e se a atividade promoveu integração.

Observações: Este jogo objetiva, por meio de uma lenta aproximação, o conhecimento do outro. Mas é importante ressaltar que cada um de nós possui um timing, um ritmo de vida. Todos os ritmos são singulares: o respiratório, o cardíaco, o motor etc.

Além de aproximação física permitida por esta atividade, está em jogo o ato de conhecer e de compartilhar com o colega o seu jeito, que é especial na hora de expressar-se.

Tempo de aplicação: 30 minutos
Número máximo de pessoas: 14

Número mínimo de pessoas: 2

Fonte: http://www.esoterikha.com/coaching-pnl/dinamicas-divertidas-para-jovens-grupos-de-jovens-a-danca-engracada.php

2) Recital das Almas Gêmeas

Essa é uma atividade muito divertida, que tem como objetivo a descontração e a aproximação entre os membros do grupo.

Material: papel e caneta

Procedimento: Divide-se a turma em duas equipes. Em papeis serão escritas mensagens que se completam (perguntas e respostas ou parte 1 e parte 2).

Cada participante deverá pegar um papel, ou mais conforme a quantidade de papeis e participantes, sem deixar que seus colegas vejam o que está escrito.

A mensagem será ex: 1 - 'eu sou um jardim sem flor', 2- ' eu sou a flor do teu jardim'.

A segunda parte complementa a primeira.

É importante que as mensagem sejam criativas e engraçadas. É preciso demarcar quais são as primeiras partes, para que sejam recitadas primeiramente, sendo completadas pela sua respectiva segunda parte.

Dicas
Observar a criatividade e integração dos participantes.

Tempo de aplicação: 25 minutos
Número máximo de pessoas: 15

Número mínimo de pessoas: 4

Fonte: http://www.esoterikha.com/coaching-pnl/dinamicas-engracadas-para-jovens-e-adolescentes-grupos-de-jovens.php

3) Para o primeiro dia de aula - Cabra cega no curral

A Proposta da atividade é fazer com que o grupo se conheça de modo divertido, principalmente os alunos vindos de outras escolas e que o primeiro dia de aula seja um momento de integração e interação entre os participantes. Vamos fazer com que o grupo se conheça de modo divertido.

Material: Pedaço de papel em branco, caneta, saco plastico, pano preto para cobrir os olhos e cadeiras.

Procedimento:

Escreva tarefas para serem realizadas pelos alunos.
Recorte-ás e as coloque dentro de um saco plástico para serem sorteadas.
Faça um círculo com as cadeiras e coloque os participantes nas mesmas.
Escolha o primeiro participante e coloque o pano sobre os seus olhos.
Coloque-o dentro do círculo e movimente-o de modo que perca a direção inicial.
O participante deverá ir para qualquer direção de modo que encoste em outro que estará sentado, este não deverá sair do lugar.
O participante que for tocado, deverá se apresentar e sortear uma tarefa a ser realizada por ele mesmo; o participante que já foi tocado não poderá repetir, de modo o que todos participem.

Dicas
Perceber se o grupo de alunos está se integrando. Estar vendo se o participante está motivado para a realização da atividade. Diversão e alegria são a base de bons relacionamentos.
Tempo de aplicação: 30 minutos
Número máximo de pessoas: 40
Número mínimo de pessoas: 10

Fonte: http://www.esoterikha.com/coaching-pnl/dinamicas-divertidas-e-engracadas-para-1-primeiro-dia-de-aula.php

4) Dinâmica da tempestade
Desenvolvimento:
Todos sentados em círculo e cada vez que o professor falar a palavra direita todos mudam pra cadeira da direita, quando o professor falar a palavra esquerda todos mudam pra cadeira da esquerda e quando a palavra for tempestade todos trocam de lugar.

Texto:
Vamos fazer uma viagem pelas águas de um lindo rio, chegando na margem a gente vai entrar em uma canoa, o dia está lindo, ao olhar o horizonte a gente sente o vento soprar levemente pra direita.
Nesse momento estamos muito contentes, olhamos ao redor, avistamos a cidade e observamos também as árvores que estão próximas da margem a esquerda.
Nesse momento estamos nos aproximando de uma grande pedra a direita, mas a gente se pergunta: Será que aquelas nuvens é sinal de tempestade? É melhor não pensar no pior.
Continuando a nossa viagem, iremos apreciar os lindos pássaros e outras árvores que estão bem longe, a direita.
A fome apertou e quando a gente levanta para lanchar, caimos a direita do barco, com isso a gente percebe que o sol começa a baixar e ficamos pensando : Será que é tempestade? Mesmo assim continuamos a brincar.
Como tudo estava tranquilo, resolvemos pescar e jogar os anzóis, um jogou para a direita e o outro jogou para a esquerda Depois de pescar, o sol desapareceu e o fim da tarde chegou, derrepente o rio começou a jogar a canoa para a esquerda, foi quando vimos um raio lá no horizonte e gritamos: Tempestade!!!
Ficamos preocupados e olhamos para a direita , olhamos para a esquerda, e falamos novamente: será que é tempestade?

Bem mais perto da margem ficamos aliviados por que iamos pegar a tempestade em terra firme.

Para fazer essa dinâmica é preciso ter no máximo 10 participantes e 10 cadeiras.

Fonte|: https://profcrika.blogspot.com.br/2012/04/tempestade-dinamica.html

Dinâmica do Bambolê

Material: 1 Bambolê para cada 6 integrantes

Competências e Aspectos Avaliadas: 
Criatividade, Trabalho em Equipe, Liderança, Dinamismo, Foco em Resultados, Planejamento, Organização, Gestão do Tempo, Agressividade, Iniciativa, Introspecção, Extroversão, Comunicação, Persuasão, Seguimento de regras, etc.

Aplicação: 
O Facilitador divide os grupos em sub-grupos de até 6 pessoas, via demonstração com algum candidato voluntário ou colega de trabalho do RH ele pede que o grupo fique em circulo. Com os dedos indicadores esticados eles devem juntos conduzir o bambolê até o chão, tendo como "start" a altura dos olhos da pessoa mais baixa do grupo. Algumas regras devem ser ditas para apimentar a atividade: A) Se alguém desencostar o dedo, por 1 cm que seja, deve voltar à posição inicial; B) O grupo tem 15 minutos para realização da atividade; C) Os demais dedos não podem ser utilizados como "ganchos" ou semelhante para realização desta tarefa; D) Os membros do grupo devem se policiar para que as regras não sejam quebradas; Quando a atividade tiver início, o facilitador será o responsável por mediar conflitos, avaliar comportamentos, finalizar a tarefa e fornecer uma análise dos resultados aos seus membros como "fechamento" de Dinâmica.

Segredos para conclusão da tarefa: 
A maioria dos grupos não conseguem conduzir o bambolê até o chão, pois devido às diferenças comportamentais, cada um tem um ritmo, tônus, personalidade e variáveis afins que impedem a conclusão da atividade. O segredo para realização desta dinâmica é conhecer os membros que fazem parte do grupo, encostar o seu indicador no indicador do vizinho para equilibrar a descida do Bambolê sem que haja afastamento dos dedos, ou seja, que dedos de determinados membros desçam no vácuo enquanto o bambolê fica sob controle dos demais membros, e assim por diante.


Comportamentos à serem observados para realização do fechamento: 
Sempre que faço o fechamento desta dinâmica a primeira coisa que pergunto é: "quantos aqui se conhecem?"..."Esta era uma atividade individual ou coletiva", para fazê-los refletir que estavam realizando uma atividade em equipe, mas esqueceram da coisa mais básica: Conhecer os membros do seu grupo...Será nítido para o observador: A) Quem exerce o papel de líder e orienta o grupo para resultados; B) Pessoas explosivas que chegam à pegar na mão do vizinho e dizer: "O seu dedo não está abaixando!"; C) A criatividade, quando os membros variam as técnicas na tentaiva de concluir a tarefa; D) A persuasão e comunicação dirigida à coerção de membros às idéias alheias ("O que vocês acham da gente..." / "Não é melhor fazermos..."); E) Dinamismo / Ansiedade de pessoas desesperadas para concluir a tarefa; etc.

Fonte: http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/dinamica-do-bambole/25950/

Dinâmicas de integração e aquecimento
Nesse material você encontra 24 dinâmicas de integração e aquecimento. Para baixar o arquivo clique aqui.


Imagem: http://www.keyword-suggestions.com/dW4gIGJhcmNv/

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...