29 de junho de 2017

A Nova Ordem Mundial - Questões de vestibulares e enem


1. A ordem mundial atual pode ser destacada pela consolidação dos Estados Unidos como a grande potência militar e a presença desse país ao lado de outras lideranças (UE e China) que se apresentam como grandes potências econômicas. Se seguirmos essa linha de raciocínio, podemos dizer que vivemos em um mundo:
a) unipolar
b) unimultipolar
c) pluropolar
d) multipolar
e) bélico-econômico

 2. “Cansados do domínio americano do sistema financeiro global, cinco potências emergentes vão lançar esta semana sua própria versão do Banco Mundial (Bird) e Fundo Monetário Internacional (FMI). Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul — o chamado grupo do Brics — estão buscando 'alternativas à ordem mundial existente', segundo as palavras de Harold Trinkunas, diretor da Iniciativa Latino-Americana do Brookings Institute […]”.
(O Globo, 14/07/2014. Banco de fomento do Brics é alternativa à ordem mundial existente, dizem líderes e analistas. Disponível em: <http://oglobo.globo.com/economia>. Acesso em: 19/09/2014).
A posição do Brics frente à Nova Ordem Mundial reflete, de certo modo, a polarização econômica que marcou o mundo após a Guerra Fria. Tal polarização reflete-se na oposição entre:
a) o norte desenvolvido e o sul subdesenvolvido
b) o leste socialista e o oeste capitalista
c) as economias planificadas e as economias de mercado.
d) as potências industriais e as sociedades agrícolas.
e) os países imperialistas e as nações neocoloniais.

3. (UERJ) G-20 adota linha dura para combater crise
Grupo anuncia maior controle para o sistema financeiro
Cercada de expectativas, a reunião do G-20, grupo que congrega os países mais ricos e os principais emergentes do mundo, chegou ao fim, em Londres, com o consenso da necessidade de combate aos paraísos fiscais e da criação de novas regras de fiscalização para o sistema financeiro. Além disso, os líderes concordaram, dentre várias medidas, em injetar US$ 1,1 trilhão na economia para debelar a crise.
Adaptado de http://zerohora.clicrbs.com.br
A passagem da década de 1980 para a de 1990 ficou marcada como um momento histórico no qual se esgotou um arranjo geopolítico e teve início uma nova ordem política internacional, cuja configuração mais clara ainda está em andamento.
Conforme se observa na notícia, essa nova geopolítica possui a seguinte característica marcante:
a) diminuição dos fluxos internacionais de capital
b) aumento do número de polos de poder mundial
c) redução das desigualdades sociais entre o Norte e o Sul
d) crescimento da probabilidade de conflitos entre países centrais e periféricos

4. (Cesgranrio) No que diz respeito à organização do espaço mundial, o cartum a seguir chama a atenção, inequivocamente, para:
 
a) a presença no século XXI de um novo modelo de colonialismo, no qual os países africanos sem tecnologia, financiamentos e mão de obra especializada suficiente para explorar suas riquezas ficam dependentes de empresas e governos estrangeiros, configurando assim a pouca autonomia econômica do continente.
b) a crescente exploração de minérios no continente africano, subsidiada por empresas estrangeiras, o que explica a onda de crescimento econômico, principalmente nos países que passaram por um processo recente de democratização e consequente estabilidade política.
c) a neutralidade da América Latina em relação às políticas colonialistas dos países industrializados, impostas ao continente africano e direcionadas para a disputa de territórios e exploração dos recursos minerais.
d) o lucro obtido pelos europeus e norte-americanos com o tráfico negreiro, que dilapidou a população e os recursos minerais africanos e que permaneceu ativo ao Norte do Equador até o final do século XIX.
e) as decisões da Conferência de Berlim em 1884, a qual dividiu politicamente o continente africano entre os Estados Unidos e os principais países europeus, sem qualquer preocupação com a autonomia das populações locais.

5. (Cesgranrio) Com a incorporação de países do Leste Europeu e a perspectiva de entrada de novos países na União Europeia, a preocupação se volta para a imigração, uma vez que esses países candidatos, por apresentarem instabilidade econômica e alto índice de desemprego, são “exportadores” de imigrantes em potencial.
Há vários anos, a Turquia vem negociando a sua entrada para a zona do euro, mas encontra oposição dos países membros porque
a) esteve ao lado dos regimes totalitários em ambas as Guerras Mundiais, o que aumenta a desconfiança dos países-membros em relação à manutenção dos organismos democráticos.  
b) defende, como signatária dos Acordos de Oslo em 1993, a permanência da Palestina independente, o que contraria os interesses da maioria dos países europeus.
c) temem o aumento do percentual da força de trabalho clandestina na construção civil e na agricultura dos países ricos com as reformas econômicas e as privatizações realizadas no país.
d) é um país de maioria muçulmana, envolvido ainda em conflitos com o Chipre, país-membro da União Europeia, e com os curdos, que promovem movimento separatista armado no Leste do país.
e) houve pequeno crescimento econômico da União Europeia nos últimos anos, fazendo com que as atenções se voltassem para o desemprego e a redução dos benefícios sociais daqueles que pleiteiam a entrada no mundo globalizado.

6. (Uerj) Observe a imagem abaixo, do episódio ocorrido nos E.U.A., no dia 11 de setembro de 2001.


A queda das torres do World Trade Center foi certamente a mais abrangente experiência de catástrofe que se tem na História, inclusive por ter sido acompanhada em cada aparelho de televisão, nos dois hemisférios do planeta. Nunca houve algo assim. E sendo imagens tão dramáticas, não surpreende que ainda causem forte impressão e tenham se convertido em ícones. Agora, elas representam uma guinada histórica?
ERIC HOBSBAWM (10/09/2011)
www.estadao.com.br
A guinada histórica colocada em questão pelo historiador Eric Hobsbawm associa-se à seguinte repercussão internacional da queda das torres do World Trade Center:
a) concentração de atentados terroristas na Ásia Meridional
b) crescimento do movimento migratório de grupos islâmicos
c) intensificação da presença militar norte-americana no Oriente Médio
d) ampliação da competição econômica entre a União Europeia e os países árabes

7. (Upe) Foi a política megalomaníaca dos Estados Unidos, a partir do Onze de Setembro, que destruiu, quase por completo, as bases políticas e ideológicas da sua influência hegemônica anterior e deixou o país com poucos elementos, além de um poder militar francamente atemorizante, que pudessem reforçar a herança da era da Guerra Fria.
(HOBSBAWM, Eric. Globalização, Democracia e Terrorismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2007. p. 51.)

Sob o ponto de vista da política externa dos Estados Unidos, com o episódio de Onze de Setembro, conclui-se que
a) os Estados Unidos recuperaram sua hegemonia política, quando conseguiram matar o temido Osama Bin Laden.
b) a força militar dos Estados Unidos dá relevo à economia do país.
c) os exércitos terroristas são ameaçadores, porque pertencem a quartéis de Estados Tiranos.
d) a externalidade do terrorismo que ameaça a vida é tão imaginária quanto a internalidade do capital que a sustenta.
e) a “religionização” da política, dos ressentimentos sociais e das batalhas por identidade e por reconhecimento é uma tendência exclusiva dos Estados Unidos.

8. (Ifce) O Hammas é um grupo político que está associado à questão que envolve conflitos entre
a) Israel e a Palestina.
b) a Líbia e a Palestina.
c) a Palestina e o Egito.
d) Israel e o Egito.
e) o Iraque e os Estados Unidos.

9. (Ifce) A Guerra do Golfo, iniciada em 1991, apresenta características da nova ordem mundial. Isto pode ser observado pelo discurso do presidente norte-americano, quando afirmou: “o que está em jogo não é um pequeno país, é uma nova ordem mundial”
(Apud, Duarte, 1997, p. 184).
O pequeno país a que se refere o presidente dos Estados Unidos, que deu início ao conflito, é
a) o Vaticano.  
b) a Coreia do Norte.
c) o Kuwait.
d) o Líbano.
e) o Irã.

10. (Uerj) O ex-presidente do Banco Central americano disse ontem que “um tsunami do crédito que ocorre uma vez por século” tragou os mercados financeiros. Em audiência na Câmara dos Representantes dos EUA, frisou que as instituições não protegeram os investidores e aplicações tão bem como ele previa. 
Adaptado de O Globo, 24/10/2008 
A crise financeira que se intensificou no mundo a partir do mês de outubro de 2008 colocou em xeque as políticas neoliberais, adotadas por muitos países a partir da década de 1980. 
A principal crítica ao neoliberalismo, como causador dessa crise, está relacionada com: 
a) diminuição das garantias trabalhistas 
b) estímulo à competição entre as empresas 
c) reforço da livre circulação de mercadorias 
d) redução da regulação estatal da economia 
(UNIFAL-MG)

11. Para responder a questão, leia o fragmento abaixo.
Em 4 de outubro de 1957, quando os soviéticos colocaram em órbita o primeiro satélite artificial - Sputnik-1 , o mundo vivia sob tensão constante. [...]. Hoje, a Guerra Fria não existe mais, mas o clima no espaço ainda está longe de refletir o ambiente de interação globalizada que mudou a economia, a política e a ciência em terra firme. Ao contrário do que acontece em outras áreas tecnológicas, o país que quiser lançar satélites por conta própria hoje tem de aprender sozinho. Os americanos não querem que a tecnologia de lançadores de satélites que pode ser utilizada para lançar bombas caia na mão de determinados países, mesmo que sejam amigos, [...]. Mesmo quando existe um projeto envolvendo vários países, como a Estação Espacial Internacional, a colaboração se dá mais pela divisão do trabalho do que pela transferência da tecnologia entre os países. [...]. Hoje, apenas EUA, União Europeia, Rússia, China, Índia e Japão são capazes de colocar satélites em órbita. Cada um aprendeu a fazê-lo sozinho.

GARCIA, Rafael. 50 anos depois do Sputnik, espaço ainda vê Guerra Fria. Folha de S. Paulo, 30/09/2007.

O fim da Guerra Fria entre os EUA e a URSS e o novo avanço do capitalismo com a globalização mundial estabeleceram uma nova ordem geopolítica. Sobre esse assunto é correto afirmar que:
a) houve a eliminação das fronteiras nacionais com a fusão de países em blocos econômicos regionais e o surgimento do domínio das tecnologias de ponta pelos novos países industrializados e subdesenvolvidos.
b) surgiram áreas de livre comércio como reservas de mercado para multinacionais, disputas entre capitalismo e socialismo representadas por EUA pela União Europeia.
c) houve a divisão do mundo em Primeiro Mundo (países capitalistas desenvolvidos), Segundo Mundo (países socialistas) e Terceiro Mundo (países capitalistas subdesenvolvidos e os de economia em transição do socialismo para o capitalismo).
d) surgiram blocos econômicos regionais; novos centros de poder - como o Japão e a União Europeia - e tensões entre interesses políticos e econômicos dos países desenvolvidos do Norte e subdesenvolvidos do Sul.

12. A Nova Ordem Mundial assinala o fim da bipolaridade entre União Soviética e Estados Unidos. Então, a partir do início do século XXI, os norte-americanos iniciaram uma guerra ao terrorismo, que passou a ser o novo adversário dos EUA no cenário internacional. Um evento que pode assinalar essa nova empreitada é:
a) A Guerra do Iraque, cujo objetivo era aniquilar o terrorista internacional Saddam Hussein.
b) A caçada e morte de Osama Bin Laden, em 2 de Maio de 2011.
c) A Guerra das Coreias, com o objetivo de exterminar terroristas norte-coreanos.
d) A Guerra entre Israel e Palestina, em que os EUA buscaram extinguir facções terroristas israelenses.

13. (Enem)

O espaço mundial sob a “nova des-ordem” é um emaranhado de zonas, redes e “aglomerados”, espaços hegemônicos e contra-hegemônicos que se cruzam de forma complexa na face da Terra. Fica clara, de saída, a polêmica que envolve uma nova regionalização mundial. Como regionalizar um espaço tão heterogêneo e, em parte, fluido, como é o espaço mundial contemporâneo? HAESBAERT, R.; PORTO-GONÇALVES, C.W. A nova des-ordem mundial. São Paulo: UNESP, 2006.

O mapa procura representar a lógica espacial do mundo contemporâneo pós-União Soviética, no contexto de avanço da globalização e do neoliberalismo, quando a divisão entre países socialistas e capitalistas se desfez e as categorias de “primeiro” e “terceiro” mundo perderam sua validade explicativa. Considerando esse objetivo interpretativo, tal distribuição espacial aponta para
a) a estagnação dos Estados com forte identidade cultural.
b) o alcance da racionalidade anticapitalista.
c) a influência das grandes potências econômicas.
d) a dissolução de blocos políticos regionais.
e) o alargamento da força econômica dos países islã.

 14. (UERJ)
A política externa praticada pelos EUA no governo de Ronald Reagan, entre 1980 e 1988, reaqueceu os antagonismos que caracterizaram o período da Guerra Fria. A ilustração acima faz uma representação irônica dos continentes, condizente com as ideias propagadas pelo líder estadunidense.
Durante o governo Reagan, duas características importantes da geopolítica dos EUA são:
a) ênfase no combate às ditaduras – antagonismo com os países do Sul
b) incentivo à fragmentação territorial – envolvimento em conflitos religiosos
c) estímulo ao expansionismo colonial – estabelecimento de alianças militares
d) acentuação da rivalidade ideológica – práticas de imperialismo econômico

15. (IBMECRJ) A chamada Nova Ordem Mundial, que marcou o final do século XX, é caracterizada por uma série de importantes acontecimentos, EXCETO:
a) A queda do Muro de Berlim.
b) A implosão da União Soviética.
c) A redemocratização da Europa Oriental.
d) A reunificação da Coreia.
e) O fim da Guerra Fria.

Gabarito
1. b; 2. a; 3. b; 4. a; 5. d; 6.c; 7. d; 8. a; 9. c; 10. d; 11. d; 12. b; 13. c; 14. d; 15. d.

Fonte:
http://exercicios.mundoeducacao.bol.uol.com.br/exercicios-geografia/exercicios-sobre-nova-ordem-mundial.htm
http://historiacsd.blogspot.com.br/2012/10/nova-ordem-mundial-o-mundo-pos-guerra.html
http://exercicios.brasilescola.uol.com.br/exercicios-geografia/exercicios-sobre-nova-ordem-mundial.htm
https://descomplica.com.br/blog/geografia/questoes-comentadas-velha-e-nova-ordem-mundial/

22 de junho de 2017

Informações básicas sobre a internet

Vamos testar o nosso conhecimento sobre questões básicas sobre o uso da internet? Abaixo algumas questões.

1. O que é navegador de internet?
a) Um e-mail.
b) Um programa de mensagens instantâneas.
c) O cara que rema o barco.
d) O programa que permite acessar as páginas de internet.

2. Qual dos nomes abaixo não são contas de e-mail?
a) gmail
b) hotmail
c) yahoo
d) facebook

3. O que é o e-mail?
a) Um serviço de mensagens instantâneas.
b) Um serviço de correio eletrônico.
c) Um site na internet.
d) Um jogo.

4. Qual das alternativas é verdadeira?
a) O WhatsApp é um navegador.
b) Todos os endereços de e-mail obrigatóriamente têm o símbolo @.
c) O Youtube é um site de namoro.
d) O Facebook é um síte de vídeos.

5. Dos sites abaixo, qual deles serve para comprar e vender tudo?
a) Youtube
b) Facebook
c) Yahoo
d) Mail
e) Mercado Livre

6. O famoso site onde as pessoas carregam seus vídeos e todos podem ver se chama:
a) Videoteca
b) Youtube
c) Charges.com
d) Azeitonas Verdes.

7. O twitter é:
a) Uma rede social onde as pessoas podem digitar mensagens de até 140 caracteres para que todos possam ver.
b) Um passarinho da África.
c) Outro nome do Word.
d) Site de vídeos.

8. Se alguém envia um vídeo do youtube para você no facebook, ao clicar nele o vídeo começa:
a) A carregar para você assistir o vídeo.
b) Dá um erro e fecha tudo.
c) Abre uma janela perguntando onde você quer salva-lo e com que nome.
d) Rouba tua senha.

9. Download é:
a) O ato de baixar qualquer arquivo da internet.
b) Enviar vírus para alguém.
c) Cadastrar em um site.
d) Vender produto pirata.

10. WhatsApp é:
a) Uma rede social onde as pessoas podem mandar mensagens.
b) Um aplicativo de mensagens instantâneas para smartphones.
c) Um site para carregar vídeos.
d) Um serviço de correio eletrônico.

11. Os navegadores são a principal porta de entrada da Internet para o usuário comum de computadores desktop. Na lista abaixo são navegadores, exceto:
a) Google Chrome
b) Mozilla Firefox
c) Internet Explorer
d) Twitter

12. Instagran é:
a) Um aplicativo onde é possível tirar fotos com o celular, aplicar efeitos nas imagens e compartilhar com seus amigos.
b) Uma rede social onde as pessoas podem digitar mensagens de até 140 caracteres para que todos possam ver.
c) Um aplicativo de mensagens instantâneas para smartphones.
d) Um serviço de correio eletrônico.

Gabarito:
1)D, 2)D, 3)B, 4)B, 5)E, 6)B, 7)A, 8)A, 9)A, 10)B, 11)D, 12)A

Fonte: http://rede-informatica.blogspot.com.br/2010/03/exercicios-basicos-internet.html
http://www.techtudo.com.br/listas/noticia/2016/01/os-navegadores-de-internet-mais-usados-no-brasil-e-no-mundo.html
http://br.ccm.net/faq/15037-whatsapp-o-que-que-e-isso
https://canaltech.com.br/o-que-e/instagram/o-que-e-instagram/

21 de junho de 2017

Solstício de inverno no hemisfério Sul

O solstício de inverno ocorre quando o Sol atinge a maior distância angular em relação ao plano que passa pela linha do Equador. Embora sua data não seja a mesma em todos os anos, pode-se dizer que ocorre normalmente por volta do dia 22 de Dezembro no hemisfério Norte e 21 de Junho no hemisfério Sul.
O inverno chega nesta quarta-feira, dia 21, às 01h24min trazendo dias mais frios, a noite mais longa do ano e a época mais propícia à observação do céu.
O solstício acontece graças aos fenômenos de rotação e translação do planeta Terra, pois graças a eles a luz solar é distribuída de forma desigual entre os dois hemisférios. O solstício de Inverno significa que a luz do sol não incide com tanto fulgor no hemisfério em questão. São fenômenos opostos dependendo do hemisfério em que um determinado país se encontra. Por esse motivo, quando é inverno no Brasil (hemisfério Sul) é verão em Portugal (hemisfério Norte).
.

Fonte: http://www.sbnoticias.com.br/noticias/150908/com-a-noite-mais-longa-do-ano-inverno-chega-nesta-quarta-feira/
https://www.significados.com.br/solsticio-de-inverno/
https://pt.wikipedia.org/wiki/Solst%C3%ADcio_de_inverno
Imagens: Wikipedia e 

19 de junho de 2017

Movimentos da Terra: rotação e translação

Geografia física
Movimentos da Terra

O planeta Terra não é estático no universo, assim como acontece com todos os corpos celestes. Ele realiza uma série de movimentos envolvendo a órbita em torno de si mesmo, ao redor do sol, em conjunto com a Via Láctea e com o próprio universo. Portanto, estudar esses movimentos significa entender uma parte da dinamicidade do espaço sideral.
Os principais movimentos da Terra, isto é, aqueles que possuem um efeito direto mais notório em nossas vidas, são a rotação e a translação.
Movimento de rotação

A rotação é o movimento que a Terra realiza em torno de si mesma, circulando ao redor do seu eixo imaginário central durante um período aproximado de 24 horas, com uma velocidade de 1.666 km/h. A rotação ocorre no sentido anti-horário, ou seja, de oeste para leste, o que faz com que o movimento aparente do sol seja de leste (nascente) para oeste (poente). A principal consequência desse movimento é a sucessão dos dias e das noites.
O movimento aparente do Sol - ou seja, o deslocamento do disco solar tal como observado a partir da superfície - ocorre do leste para o oeste. É por isso que, há milhares de anos, o Sol serve como referência de posição: a direção onde ele aparece pela manhã é o leste ou nascente - e a direção onde ele desaparece no final da tarde é o oeste ou poente.
A duração da rotação da Terra é de 23 horas, 56 minutos, 4 segundos e 0,9 décimos, originando a sucessão dos dias e das noites. A velocidade desse movimento é de cerca de 1666 km/h, ou 465 m/s, que é bastante elevada, porém muito inferior à de outros astros do universo. É interessante observar que, nas áreas próximas à Linha do Equador, a velocidade é maior, pois nessa área o raio terrestre é mais longo. Na cidade de Porto Alegre, por exemplo, a velocidade da rotação terrestre cai para 1450 km/h.
O que faz a Terra girar?
Na verdade, o nosso planeta, assim como os demais planetas solares, só gira porque não existe nenhum tipo de força ou resistência capaz de parar a sua rotação, que se perpetua. Acredita-se que, após o surgimento do universo, os corpos celestes colidiram-se (e ainda se colidem) por várias vezes, o que fez com que os elementos constituintes dos planetas mantivessem-se em movimentos giratórios. É importante considerar que nem sempre a rotação dos planetas é no sentido anti-horário, a exemplo de Urano e Vênus, que giram no sentido horário.
E se a Terra parasse de girar?
Se por acaso, de repente, a Terra parasse de girar, a primeira grande consequência seria a força centrípeta exercida sobre nós, que seria responsável por nos “jogar para fora” do planeta em função da lei da inércia e da “freada” brusca do globo.
Além disso, após a parada, o clima certamente seria muito diferente, com um lado da Terra muito quente e o outro muito frio, com tempestades e choques de massas de ar nas zonas de encontro entre o dia e a noite. A existência de vida seria muito dificultada.
Consequências do movimento de rotação da Terra
- Existência dos dias e das noites.
- O movimento aparente do Sol de Leste para Oeste.
- A definição dos pontos cardeais.
- A formação das correntes marítimas.
- Elevação do nível do mar a leste dos continentes.
- Criação do sistema de fusos horários.

Movimento de translação
O movimento de translação é aquele que a Terra realiza ao redor do Sol junto com os outros planetas. Em seu movimento de translação, a Terra percorre um caminho - ou órbita - que tem a forma de uma elipse.
A velocidade média da Terra ao descrever essa órbita é de 107.000 km por hora, e o tempo necessário para completar uma volta é de 365 dias, 5 horas e cerca de 48 minutos.
Esse tempo que a Terra leva para dar uma volta completa em torno do Sol é chamado "ano". O ano civil, adotado por convenção, tem 365 dias. Como o ano sideral, ou o tempo real do movimento de translação, é de 365 dias e 6 horas, a cada quatro anos temos um ano de 366 dias, que é chamado ano bissexto.
Estações do ano
As datas que marcam o início das estações do ano determinam também a maneira e a intensidade com que os raios solares atingem a Terra em seu movimento de translação. Essas datas recebem a denominação de equinócio e solstício.
Para se observar onde e com que intensidade os raios solares incidem sobre os diferentes locais da superfície terrestre, toma-se como ponto de referência a linha do Equador.
As estações do ano estão diretamente relacionadas ao desenvolvimento das atividades humanas, como a agricultura e a pecuária. Além disso, determinam os tipos de vegetação e clima de todas as regiões da Terra. E são opostas em relação aos dois hemisférios do planeta (Norte e Sul).
Quando no hemisfério Norte é inverno, no hemisfério Sul é verão. Da mesma maneira, quando for primavera em um dos hemisférios, será outono no outro. Isso ocorre justamente em função da posição que cada hemisfério ocupa em relação ao Sol naquele período, o que determina a quantidade de irradiação solar que está recebendo.
Durante o inverno, as noites são tanto mais longas quanto mais o Sol se afasta da linha do Equador. É esse afastamento que faz as temperaturas diminuírem. Já durante o verão, os dias são tanto mais longos quanto mais o Sol se aproxima da linha do Equador e dos trópicos. Por isso, as temperaturas se elevam. No outono e na primavera, os dias e as noites têm a mesma duração.
Solstícios e equinócios

Os Solstícios e equinócios são nomes dados aos dias que iniciam algumas das estações do ano. A implantação dessas datas teve como pressuposto a intensidade com a qual os raios solares atingem a superfície terrestre.
Solstício é uma palavra oriunda do latim que significa “parado”. Esse fenômeno acontece no período do ano em que a Terra recebe uma quantidade maior de luz sobre um hemisfério. Os solstícios ocorrem em duas datas do ano: 21 de junho e 21 de dezembro.
No solstício de 21 de junho, dá-se início ao verão no hemisfério Norte, desse modo, os dias são mais longos do que as noites. Já no hemisfério Sul, a data em questão marca o começo do inverno, no qual as noites são mais longas que os dias.
No solstício de 21 de dezembro, inicia-se no hemisfério Norte a estação de inverno, período em que as noites são mais longas que os dias. Já no hemisfério Sul, a data determina o começo do verão, estação em que as noites são mais curtas do que os dias.
Equinócio é uma palavra derivada do latim que significa “noites iguais”. Esse fenômeno acontece quando os raios solares atingem com grande intensidade a zona intertropical, o que favorece uma uniformidade quanto à quantidade de luz e calor recebida pelos dois hemisférios (Norte e Sul). Os equinócios acontecem duas vezes por ano: 20 de março e 23 de setembro.
No equinócio de 20 de março, data que marca o início da primavera, os dias são mais longos do que as noites, isso no hemisfério Norte. Já no hemisfério Sul, a data marca o começo do outono, com noites mais longas do que os dias.
No equinócio de 23 de setembro, dá-se início ao outono no hemisfério Norte, com dias mais curtos que as noites. Já no hemisfério Sul, a data marca o começo da primavera, apresentando noites mais curtas que os dias.
O que são afélio e periélio?
Afélio é o ponto da órbita de um astro em que sua distância em relação ao Sol é máxima. Periélio é o ponto mais próximo de um astro em relação ao Sol. Na Terra, este fenômeno ocorre em janeiro.


Vídeo: Movimento de rotação da Terra
Vídeo: Movimento de translação da Terra


Fontes de consulta (internet)
Fonte (livro): ALMEIDA, Lúcia Marina Alves de: RIGOLIN, Tércio Barbosa. Fronteiras da globalização: o espaço natural e o espaço humanizado. vol. 1.
https://pt.slideshare.net/emersonsantos946/todos-os-movimentos-da-terra

1 de junho de 2017

A guerra fria e o mundo bipolar

Geopolítica

A Guerra Fria e o mundo bipolar
Guerra Fria
Foi uma disputa indireta, porque não ocorreu um confronto direto entre Estados Unidos (EUA) e União Soviética (URSS) e ideológica, porque cada lado, dentro da sua rivalidade, impulsionava também a implantação de um modelo político e ideológico (capitalismo e socialismo).
Foi uma guerra não declarada entre Estados Unidos e União Soviética pelo controle econômico e militar do mundo.
Durante a guerra fria o poder das armas valia mais que o poder do dinheiro.
O contexto da guerra fria acontece logo após o final da Segunda Guerra Mundial (1939/1945), quando boa parte das potências mundiais estavam em processo de reconstrução. Apenas Estados Unidos e União Soviética tinham condições de assumir a hegemonia do mundo, contudo um era obstáculo para o outro. Começa, assim, o clima de tensão e disputa entre os dois países que durou quase meio século, de 1945 a 1991.
As duas potências procuraram manter a hegemonia sobre as suas áreas de influência a qualquer custo. Isso motivou a intervenção de tropas soviéticas na Hungria, em 1956, e na antiga Tchecoslováquia, em 1968, quando esses países tentaram se afastar do domínio soviético.
O governo norte-americano interveio na China, na Coreia e em Cuba, procurando manter a sua hegemonia.
Mas será que todo o mundo era alinhado com Estados Unidos e União Soviética?
Primeira vamos retomar a classificação dos países na época: primeiro mundo, os países capitalistas desenvolvidos; segundo mundo, os países socialistas; terceiro mundo, os países subdesenvolvidos. O grupo de países do Terceiro Mundo era formado pelos países pobres da África, da Ásia e da América Latina.
Na ONU, o bloco do Terceiro Mundo foi formado por países coloniais ou de passado colonial. Esses países tinham como principal objetivo a emancipação econômica, política, social e cultural. Esse grupo de países não alinhados tentou manter uma certa autonomia em relação às disputas entre Estados Unidos e União Soviética.
A doutrina Truman
O presidente Harry S. Truman, no dia 12 de março de 1947, proferiu diante do Congresso Nacional um agressivo discurso, afirmando que os países capitalistas deveriam se defender da ameaça socialista.
A partir dessa declaração se consolidou a Doutrina Truman, e, para alguns estudiosos, começou a Guerra Fria, espalhando pelo mundo uma rivalidade entre capitalistas e socialistas.
Divisão da Alemanha
A Alemanha, junto com Itália e Japão foram os países que perderam a guerra. Os países vencedores dividiram o país em quatro zonas de influência: dos Estados Unidos, da França, do Reino Unido e da União Soviética, logo após o final da guerra, em 1945. A capital, Berlim, também foi dividida em quatro zonas de influência. Em 1949, os países capitalistas (Estados Unidos, Reino Unido e França) fizeram um acordo para integrar suas áreas a República Federal Alemã (RFA). Já o setor soviético passou a ser integrado a República Democrática da Alemanha (RDA). O mesmo aconteceu na capital Berlim.
Organizações e alianças militares criados após a Segunda Guerra Mundial e durante a guerra fria
Organização das Nações Unidas (ONU)

A criação ONU se deu em fevereiro de 1945, na cidade de São Francisco, EUA, como resultado das conferências de paz realizadas no final da Segunda Guerra Mundial. Assinaram inicialmente a Carta das Nações Unidas 50 países, excluindo os que haviam feito parte do Eixo (Alemanha, Itália e Japão). O objetivo da ONU era a de manter a paz mundial.
Plano Marshall (1947)

Plano para reconstrução econômica dos Estados Unidos para os países da Europa ocidental destruídos pela guerra. Esse plano surgiu a partir da Doutrina Truman. Recuperando e fortalecendo os países europeus, os Estados Unidos impediriam o avanço do socialismo na Europa ocidental.
Conselho para Assistência Econômica Mútua - Comecon (1949)
Foi uma resposta soviética ao Plano Marshall, visava a integração e cooperação econômica entre a União Soviética (URSS) e os países do Leste europeu.
Organização do Tratado do Atlântico Norte – OTAN (1949)

Aliança militar que visava garantir a segurança mútua contra uma expansão maior do socialismo na Europa.
Com o final da guerra fria, os objetivos da Otan mudaram, uma vez que não há mais o inimigo soviético para ser combatido. Hoje, a Otan é uma organização que visa a segurança dos países membros, entre os quais estão incluídas nações do antigo Leste europeu.
Pacto de Varsóvia (1955)

É a resposta soviética à criação da OTAN. Aliança militar entre a União Soviética e os países socialistas do Leste europeu. Extinto em 1991, esse Pacto funcionou como um instrumento de manutenção do regime nos países satélites do que como defesa contra o capitalismo.
A corrida armamentista
Esta foi a questão central do período da guerra fria, que envolveu diretamente os Estados Unidos e a União Soviética na corrida atômica e na conquista espacial. A nação que primeiro desenvolvesse a tecnologia nuclear e conquistasse o espaço seria considerada a mais avançada cientificamente.
Os Estados Unidos iniciaram a corrida nuclear lançando bombas atômicas sobre as cidades japonesas de Hiroshima (6 de agosto de 1945) e Nagasaki (9 de agosto de 1945), para forçar a rendição do Japão no final da Segunda Guerra e ao mesmo tempo demonstrar sua superioridade. Só em 1949, a União Soviética conseguiu fabricar sua primeira bomba atômica.
O poder destrutivo das armas nucleares, químicas e biológicas, capazes de destruir a humanidade, impediu um confronto direto. Apesar disso, soviéticos e norte-americanos se enfrentaram indiretamente através de seus aliados, em diferentes regiões, ao longo de vários anos.
A corrida espacial
Os soviéticos saíram na frente na frente na corrida espacial com o lançamento do Sputnik I, o primeiro satélite artificial a ser colocado em órbita, em 4 de outubro de 1957. O sucesso da missão gerou uma crise entre os norte-americanos, que culminou no início da corrida espacial durante a guerra fria. O lançamento do Sputnik trouxe desenvolvimento político, militar, tecnológico e científico.
Sputnik I
Em janeiro de 1958, os Estados Unidos lançaram o satélite Explorer.
O primeiro homem a viajar pelo espaço foi o soviético Yuri Gagarin, em 12 de abril de 1961, a bordo da nave Vostok-1.
Yuri Gagarin
A chegada do homem à Lua – 16 de julho de 1969, a nave Apollo 11, levou à órbita da Lua, os astronautas Neil Armstrong, Edwin Aldrin e Michael Collins. Em 20 de julho de 1969, Armstrong entrou para a história como o primeiro ser humano a pisar na superfície lunar.
Neil Armstrong
Em 1971, os soviéticos lançaram o Projeto Salyut, que previa a construção de uma estação espacial. Em 1973, os Estados Unidos lançaram o Skylab, estação experimental que acabou se desintegrando em contato com a atmosfera, quando a Nasa perdeu o controle da sua órbita.
Embora a corrida espacial tenha terminado oficialmente em 17 de julho de 1975, os Estados Unidos e a União Soviética continuaram seus programas espaciais.
O fim da guerra fria
O mundo bipolar começou a ruir com uma grave crise econômica dos países socialistas nos anos 1980. Causas: falta de concorrência, baixos salários e falta de produtos.
Queda do Muro de Berlim – ocorreu em 9 de novembro de 1989, com a crise do sistema socialista no leste da Europa e o fim desse sistema na Alemanha Oriental.
Em 25 de dezembro de 1991 tem fim a URSS, fazendo surgir 15 novos países.
Com o desmantelamento dos velhos rivais, os Estados Unidos não tinham mais a quem combater. Estava desmontada uma ordem mundial que durou quase cinquenta anos.

Sua Pesquisa - Fim da Guerra Fria, Geografando com a Rose - O mundo bipoloar e a guerra fria, Universia ENEM - O Mundo Dividido: A Guerra Fria, Wikipédia - Comecon.
Fonte - livro: ALMEIDA, Lúcia Marina Alves de & RIGOLIN, Tércio Barbosa. O espaço geográfico globalizado. v.2.
Vídeo: Novo Telecurso - O mundo do pós-guerra
Imagens: Pixabay e Wikipédia.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...